sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Um Outubro bom.

Sábado, 4 horas da manhã, acordo com a maior vontade do mundo. Tomo aquele banho, visto a minha melhor roupa, passo o meu melhor perfume, tomo um café forte, escovo os dentes pego a minha mala, me despeço dos meus e vou matar a minha saudade.
Chego à cidade e no local combinado um pouco atrasado [aqui não relatarei o motivo do atraso]. Do vidro do ônibus já avisto o meu amor, desço as escadas e vou ao seu sentido. Aperto a sua mão com uma vontade enorme de abraçá-lo e beijá-lo, mas me contenho.
Percorrendo o caminho que dava até o hotel, falamos da viagem que ambos fizemos, eu um pouco nervoso com a presença dele, ele, com aquele pequeno olhar o mais fofo do mundo.
No hall do hotel acertamos os últimos acertos e entramos no elevador. Pego em sua mão e ele diz "tem câmeras por aqui?". Quando dei por mim já estava beijando-o loucamente na cama confortável do quarto, uma explosão de sentimentos e saudades, recordações e expectativas de como seria aquele fim de semana.
A vida às vezes nos reserva surpresas maravilhosas.
A fome faz com que paremos, alimentamos o corpo, pois ele é a moradia do nosso amor.
O amor deu um tempo.
Saímos pela cidade, ele acha a cidade um charme, eu fico feliz.
À noite faz um frio comum no lugar onde tudo se torna maior ainda.
As ruas não mais são as mesmas. Elas cheiram a kaiak.
O amor não agüentou mais esperar, e fez-se a sua vontade.
Acordamos com um dia 'sinzento' e triste, era o nosso último dia juntos. Chovia muito e o nosso café da manhã foi um pouco amargo. Permanecemos os últimos instantes no quarto, a tv ligada sem sentido. A chuva nunca que para, parecendo colaborar com a nossa imensa vontade de não mais sair daquele lugar que foi tão nosso por um período tão longo e curto.
Não podemos mais adiar a realidade dos fatos.
A vida às vezes nos reserva surpresas desagradáveis.
23:05 horas da noite de segunda-feira, ele entra no ônibus de vidro escuro, não mais posso vê-lo.

10 comentários:

Gabi disse...

Tudo tem um preço, a despedida é o preço pago pelo encontro. Infelizmente...

DuG disse...

Sem dúvidas esse foi o melhor outubro de todos os tempos.

Passageiro disse...

Assim como esse, muitos outros dias bonitos virão, amigo!

Cores de Frida - Portifólio Digital disse...

nossa essa despedida me deu uma angústia....e a chuva sempre convida a tristeza para dentro de nós...

Charlie DeLarge disse...

que postagem linda e profunda, entendo bem isso, quando alguem que voce gosta vai embora e demorará litros pra rever :/

Pedro Antunes disse...

que lindo o texto!!!
não só a história, como a escrita!
muito bonito!
mas a distância tem um lado bom... poder matar a saudade no reencontro!
só podemos torcer e planejar muitos desses reencontros!

parabéns pelo texto!

=**

Filipi Dahrlan disse...

Seu texto é lindo!
Na verdade as coisas boas duram o tempo que devem durar. Por isso elas são tão especiais.

Que esse amor permaneça e vc saiba aproveitá-lo.

Beijo!

Rafael Duarte disse...

sad, but lovely

bifows disse...

essa foi profunda. fiquei emocionado :( Fica bem! E realmente, it's sad, but lovely :)

edpo disse...

momentos assim por mais curtos que sejam são os mais intensos e os melhores