quinta-feira, 16 de abril de 2009

Caetaneando.

E a viagem pelo mundo musical continua super bem, obrigado.

Tem uma letra de uma música que me empolgou um tanto. A música se chama “o que será que te excita?”, do grupo carioca, Doces Cariocas. A letra pra mim, tem várias leituras, tem uma parte da letra que diz o seguinte: “o que será que te excita, bonecos de vitalino ou louças chinesas?” Eu logo percebi uma leitura nessa frase, o que de fato te excita, será que você está se excitando por coisas que realmente valem a pena ser excitado? A outra parte diz o seguinte: “o que será que te domina, exército de Roma ou bomba de Hiroshima?” Aí eu consigo ter várias leituras e uma delas é: o que de fato nos domina? Somos dominados por sistemas que nos empoem medo e que nos deixam em prisões, se você ficar em um lugar terá exércitos e se correr de outra terão bombas.
Mas aí a música começa a ter um novo rumo e a letra segue junto, olha que frase mais excitante (risos): “o que será que te balança, o xote de Dom Quixote, ou o can-can (?) que a França dança?” O que nos balança nos dias de hoje? O que será que faz com que fiquemos todo excitado e balançado? Depende de cada um? E a frase, cai bem pra quem? É assim mesmo, não tem como não fazer esses questionamentos.
Aí vem uma frase que eu acho muito fofa: “o que será que te adormece, mágica no cabelo, ou um abraço que te aquece?” Num mundo todo sofisticado e cheio de opções, às vezes e quase sempre o básico e simples é o que realmente importa.
A letra segue com mais curiosidades, mas paro por aqui. Sim, você pode ter achado isso tudo babaquice. Mas, cada um vê e sente a letra e a música de uma maneira própria.

Bom, eu falei tanto de Caetano Veloso no meio do ano passado com as suas novidades e delícias como sempre, no show em que ele estava promovendo um dia por semana no Rio de Janeiro, para a criação junto com o seu público do novo cd. Pois bem, o cd se incorporou, ganhou braços, pernas, corpo num tudo, cresceu e já está por aí, encantando e desencantando, por que não?
Eu baixei logo que entrei online já hoje à tarde, e não esperava outra coisa a não ser o belo cd que ouvi. Algumas faixas que foram tão discutidos no blog pelo autor e seus seguidores (incluíndo eu) estão no cd. Outras que com certeza saíram da inquietação de Caetano, também estão lá. E como sempre é um Caetano que inova, que incomoda, que traí tudo o que ele defendeu outrora, mas que acima de tudo não deixa de ser o próprio.
Eu ouvi muito essa semana o cd “Transa”, e digo que é mais o meu estilo do que esse novo de nome bem curioso e digno de la Caetano, “Zii & Zie”. Não estou menosprezando, não. Apenas concluo o meu gosto e favor.
Tem uma música no cd “Transa”, chamada “Mora na Filosofia” com letra de Monsueto e Arnaldo Passos, que anda me dominando total, a música começa com um batuque discreto e com um solo de violão bem baixinho quase como um risquinho em nossos ouvidos que vai nos deixando melancólico, depois entra a voz de Caetano cantando baixinho e aumentando conforme a música ganha corpo e vida. É uma poesia só.
Eu estou numa vibe Caetano.

2 comentários:

ele disse...

o que será que me excita?
certamente ler bons textos, como esse, está na lista :*

viva Caê o/

Darllon disse...

É fascinante esse poder que ele tem com a música, Minhas lagrimas do dico Cê digamos que é uma perfeição.
Mas é aquilo quem nasce na Bahia o deus ou o diabo domina.