terça-feira, 28 de outubro de 2008

A facilidade de encatamento de uma criança

Meu priminho se encanta por Amélie Poulain e chama o duende do pai dela de "palhaço".

Hoje o meu priminho de quatro anos, Otávio, passou o dia em casa. E como o dia esteve nublado o tempo todo, resolvi assistir “o fabuloso destino de Amélie Poulain, como ele adora me acompanhar nos filmes, deitou comigo no sofá e começamos a assistir, mas no início ele não teve muita paciência, não, ele gosta mesmo é de assistir “o senhor dos anéis” [risos], mas chegou em um determinado momento do filme que o chamou atenção. A cena é aquela em que Amélie decidida a ajudar o seu pai a sair da rotina de sua vida, resolve pegar emprestado o “duende” que ele tem em seu jardim. Foi aí que o Otávio começou a fazer perguntas e a prestar atenção no filme.
Bom, não é surpresa nenhuma pra mim que uma criança de quatro anos se interessa por Amélie, o filme é de uma grandiosidade enorme, ele consegui alcançar todos os tipos que o assisti, as histórias que se passa no filme, se encaixam direitinho com o nosso cotidiano, manias de Amélie e seus amigos são identificados em nós rapidamente.
Assisti ao filme há um tempo já, e a identificação foi tamanha que tive que comprar, pra sempre que possível e a saudade bater, rever.
Falar do filme é delicioso. A fotografia forte do diretor que usou as cores verdes, vermelhas e azuis em momentos "chaves" do filme e que deixava a fotografia preta e branca em algum trecho da história, às personagens que são de uma construção rica e que não saí tão facilmente de nossa cabeça, os diálogos gostosos, os ambientes na cidade francesa que nos enchem os olhos, os recursos das câmeras que ele usa é inovador, pegando a cena de um angulo diferente e abrindo esta na grande tela. Uma das que acho mais linda, é a hora em que Amélie começa a olhar o álbum do Nino, a câmera chega do alto, dá a volta em Amélie e a foca olhando as fotos, isso é perfeito.
É difícil não gostar de Amélie, a primeira impressão já nos deixa apaixonado por ela.
Como o meu primo é apenas uma criança, ele não guarda nomes de filme, então ele chama a sua maneira, tipo: quando ele quer assistir ao “senhor dos anéis” ele pede “vamos ver o bichão” por causa do monstro das profundezas Khazad- dûm, que aparece no final de “a sociedade do anel”, ele simplesmente adora o Khazad-dûm, quando ele quer assistir a Sherek, ele fala “vamos assistir o burro”, ama de paixão o falante burro. E já apelidou “o fabuloso destino...”, ele chama de palhaço, por causa do duende do pai de Amélie, agora o porque de "palhaço", só ele quem sabe.
Eu fiquei contente, sempre que o Otávio está comigo, tento passar coisas interessantes e de que gosto muito.
As crianças tem uma facilidade enorme de aprender e se encantar com as coisas, é nosso dever mostrar os interessantes e introduzir hábitos saudáveis em suas vidas.
É lógico que ele não entendeu nada do filme, ou entendeu? Mas as imagens e personagens, não esquecerá facilmente.

2 comentários:

Fernz disse...

Mas com certeza, qdo ele crescer, ele vai lembrar do primo mais velho q mostrou o filme pra ele pela primeira vez! É referencial! =)

bruna kim disse...

Amélie é linda,não existe comparação!
Fabi,fique certo de que Otávio entendeu tudinho do filme,no referencial dele(logico)...Crianças são sempre uma alegria,principalmente quando é uma que se mostra tão interessada nas coisas.
P.S: Voce falou igual a um pai.